Se a teoria é rapidamente esquecida,
o gesto e a experiência artística
ficam no corpo, na memória, no olhar.

Fev 222016
 

No dia 20 de Fevereiro de 2016, teve lugar na Cinemateca Portuguesa, o segundo encontro do ano lectivo, entre professores e cineastas envolvidos nas oficinas que integram o programa Cinema, Cem Anos de Juventude, para balanço sobre os exercícios já realizados a partir de regras de jogo comuns aos 13 países que participam do projecto.

O tema em trabalho este ano é o clima e a meteorologia, revelando-se  através do mundo e das suas cinematografias, paisagens, luzes, maneiras de estar no mundo, de habitar e de valorizar um território.

A sessão com a participação de cineastas, professores e parceiros culturais, foi acompanhada pela coordenadora geral do programa, Nathalie Bourgeois e Isabel Bourdon (colabora no projecto através da Cinemateca francesa) e contou ainda com a participação dos parceiros da A Bao A Qu (Espanha) e Meno Avilys (Lituânia).

Foram exibidos os exercícios das escolas participantes, em Portugal, bem como em Espanha, Lituânia e França, como alguns planos Lumiére relacionados com o espaço em que o alunos vivem, na escola, na rua, na cidade ou no campo; exercícios com uma série de planos curtos que transmitem uma sensação meteorológica, ligados por exemplo, à chuva, ao sol, ao vento ou ao frio; e ainda exercícios em que a mesma cena foi filmada em diferentes situações meteorológicas  (e estações do ano).

A visualização dos exercícios filmados foi seguida de um diálogo sobre os métodos implementados em cada oficina, os desafios e particularidades dos grupos, assim como comentários em relação ao trabalho que tem sido feito e a forma como são aplicadas as regras do jogo.

Em Portugal, o programa, da responsabilidade da associação Os Filhos de Lumière, está a decorrer este ano em seis escolas em Lisboa, Moita, Serpa, Fundão e Trancoso. As sessões públicas com os filmes-ensaio finais irão decorrer em Junho nas três regiões, e também na Cinemateca Francesa, em Paris, onde serão apresentados os filmes de todos os países participantes, na presença dos professores, alunos e cineastas envolvidos nas oficinas.
Jan 292016
 

Numa sessão aberta ao público foram apresentados na Cinemateca Portuguesa os filmes finais das oficinas O Mundo à Nossa VoltaCinema, Cem Anos de Juventude” realizadas no ano lectivo 2014-2015 cuja questão de cinema foi  “O que é o Intervalo no Cinema?” A regra do jogo comum a todos os filmes: um personagem assiste a uma cena de que se sente excluído, depois vêmo-la afastar-se … e encontra alguém. Os filmes, pensados a partir das questões próprias da idade de cada grupo participante, do lugar onde vivem e dos seus imaginários, onde foram exploradas as relações de intervalo entre as personagens e entre a câmara e as personagens, inspirando-se dos fragmentos de filmes que viram ao longo do ano, tocam temas como a inclusão, a identidade, as amizades, os primeiros amores, etc.

Com a presença de 200 jovens de Mértola, Serpa, Lisboa, Fundão, Vale da Amoreira (Moita) que participaram nos filmes que foram apresentados e de professores, cineastas e técnicos de cinema, e parceiros culturais.

O Mundo à Nossa Volta conta com o apoio do Programa PARTIS da Fundação Calouste Gulbenkian, das Câmaras Municipais de Serpa, Lisboa e Moita, do ICA, da Cinemateca Portuguesa, de diversas entidades locais, da Cinemateca Francesa, do Instituto Camões e da Embaixada de Portugal em França, das próprias escolas e ainda dos Ministérios da Cultura e da Educação de França.
Jan 282016
 

Apresentação na sala Felix Ribeiro da Cinemateca Portuguesa do filme “Le Havre” (2011), de Aki Kaurismaki. Sessão dedicada a todos os participantes nos projectos O Mundo à Nossa Volta (Cinema, cem anos de juventude e O Primeiro Olhar) e Moving Cinema seguida de uma conversa com os participantes das escolas E.B.2.3. Marquesa de Alorna (Lisboa), Escola Secundária de Serpa, Escola Secundária Passos Manuel (Lisboa), Agrupamento de Escolas do Fundão, E.B. Vale da Amoreira Nº1 e E.B. 2.3 Vale da Amoreira (Moita), Agrupamento de Escolas de Mértola

“Le Havre” integra a selecção de filmes que serão apresentados nos outros países participantes no projecto Moving Cinema: Catalunha (Espanha), Lituânia, Escócia (Reino Unido), França e Portugal.

Os parceiros que integram o projecto são: A Bao A Qu (Catalunha/Espanha),  Meno Avilys (Lituânia), a França (através da Cinemateca francesa) e  o Centre for the Moving Image (Escócia/Reino Unido). Em Portugal o projecto é da responsabilidade da associação Os Filhos de Lumière, em parceria nomeadamente com a Cinemateca Portuguesa - Museu do Cinema, ao qual os Encontros Cinematográficos (Município do Fundão / Associação Luzlinar) e Cinema Fora dos Leões se associaram. Este projecto conta com o apoio da Europa Criativa – sub‐programa Média
 
Dez 122015
 
"Realizou-se no Fundão, na Moagem, nos dias 1 e 2 de Dezembro [de 2015], o 3º Ciclo de Filmes Proibidos, organizado pela Associação Luzlinar, com o apoio da Câmara Municipal. Fui assistir a convite do incansável Carlos Fernandes, coordenador do evento, e o que vi deixou-me sonhador e enraivecido. Sonhador porque a qualidade destes filmes é indiscutível. Enraivecido porque um paí que não mostra a sua produção artística é um país morto. Em que país continuamos a viver, se depois da censura fascista se instalou a censura dos distribuidores? É por isso que estes encontros cinematográficos são importantes (...)
Malvadez é uma pequena maravilha com laivos autobiográficos. Um rapaz do Fundão (Pedro Hestnes, sublime com a sua decontracção juvenil) vai passar alguns dias a Lisboa, a um bairro muito populacional, e verifica que os seus amigos mudaram assim como o bairro. É a malvadez que se instalou no mundo e diante de tanta impureza, o "estrangeiro" resolve regressar à pureza provincial. Feito de errâncias, elipses, que não mostra o amor nem o sexo mas só os sugere, é um filme estupendo a redescobrir. A cópia original foi perdida e só existe nos arquivos da RTP um documento digital. É urgente retrabalhar este documento e fazer uma reposição límpida com este pequeno diamente. É imprescindível também que o nome de Luís Alvarães seja conhecido. Censurados, esquecidos ou soterrados, a reabilitação destes filmes começou já no Fundão."

Manuel da Silva Ramos
in Jornal do Fundão - 10.12.2015.


Malvadez, de Luís Alvarães foi apresentado na quarta-feira 2 de Dezembro, Moagem, Cidade do Engenho e das Artes, no Fundão na projecção-conversa com alunos do Agrupamento de Escolas de Fundão, no âmbito do programa Moving Cinema integrado no projecto No País do Cinema. A conversa com o público‐alvo teve a participação de Luís Alvarães, Rossana Torres, Luís Miguel Oliveira e Carlos Fernandes.

Nov 242015
 

Malvadez, de Luís Alvarães será apresentado na quarta-feira 2 de Dezembro de 2015 às 14h30, na Moagem, Cidade do Engenho e das Artes, no Fundão na projecção-conversa com alunos do Agrupamento de Escolas de Fundão, no âmbito do programa Moving Cinema integrado no projecto No País do Cinema. A conversa com o público‐alvo terá a participação de Luís Alvarães, Rossana Torres, Luís Miguel Oliveira e Carlos Fernandes.
Esta sessão faz parte da terceira edição do ciclo Cinema Proibido organizado pelos Encontros Cinemtográficos.

NO PAÍS DO CINEMA | MOVING CINEMA
Ciclo de Projecções-Conversa dedicado ao jovens

Este projecto pretende desenvolver estratégias inovadoras para levar os jovens a descobrir e a conhecer o cinema nacional e europeu e a adquirir uma capacidade de análise e que venham ‐ graças a essa descoberta ‐ a adquirir a capacidade de ver e de apreciar o cinema. Uma das vertentes deste projecto prende‐se com a dinamização de várias projecções‐conversa dedicadas aos jovens.

Moving Cinema (2015‐2016): projecto desenvolvido em conjunto pela associação cultural Os Filhos de Lumière, com a associação Catalã À Bao à Qu, a associação Menos Avilis da Lituânia, o Centre for the Moving Image (Escócia/Reino Unido e a Cinémathèque Française, que conta com o apoio da Europa Criativa – sub‐programa Média e a colaboração da Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema, ao qual os Encontros Cinematográficos (Município do Fundão / Associação Luzlinar) se associaram.

Coordenação: Carlos Fernandes, Teresa Garcia e Rossana Torres

Organização: Os Filhos de Lumière | Associação Luzlinar | Município do Fundão | Colaboração da Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema e do Departamento de Comunicação e Artes da UBI e apoio da RTP.
Mai 162015
 

Decorreram ao longo dos dias 11 e 12 de Maio, no âmbito do projecto Moving Cinema, diferentes encontros com as Escolas do Fundão através da projecção do filme “Xavier”, no Auditório da Moagem, com a presença do realizador Manuel Mozos. Teresa Garcia, Rossana Torres e Gracinda Nave da associação Os Filhos de Lumière e Carlos Fernandes e José Oliveira dos Encontros Cinematográficos do Fundão dinamizaram as conversas entre o realizador e os jovens presentes.
Para além das conversas, os jovens tiveram um contacto com materiais criados para a construção do filme: cenas do argumento com notas do realizador, plano de trabalho, fotografias do casting e da rodagem, etc.
Por fim fez-se uma visita á cabine de projecção, onde tiveram a  oportunidade de ver o processo de projecção e contactar com a película.

No dia 12 ás 10h decorreu um Seminário que juntou estas entidades com professores e coordenadores da Universidade da Beira Interior, professores e coordenadores do Agrupamento de Escolas da Beira Interior e outras pessoas interessadas, para uma apresentação do projecto Moving Cinema, debater a questão urgente da literacia cinematográfia junto dos jovens e lançar as bases de um trabalho conjunto na região, num futuro próximo.

Moving Cinema (2014‐2015): projecto desenvolvido em conjunto pela associação cultural Os Filhos de Lumière, com a associação Catalã A Bao à Qu e a Menos Avilis da Lituânia, que conta com o apoio da Europa Criativa – sub‐programa Média e a colaboração da Cinemateca Portuguesa – Museu do Cinema, ao qual os Encontros Cinematográficos (Município do Fundão / Associação Luzlinar) se associaram."