Se a teoria é rapidamente esquecida,
o gesto e a experiência artística
ficam no corpo, na memória, no olhar.

Jul 212021
 

Plácido, de Luis García Berlanga, será apresentado na quinta-feira 22 de Julho de 2021 às 18h00 no Auditório Soror Mariana em Évora, no âmbito do projecto No País do Cinema numa sessão de Cinema-Fora-dos Leões, em parceria com Os Filhos de Lumière e a Direcção Regional de Cultura do Alentejo, no âmbito do ciclo "Esperpento, logro e anseio" em comemoração do centenário do nascimento de Luis García Berlanga. Entrada livre.

"Uma década após o final da Guerra Civil Espanhola, em pleno regime franquista, deu-se uma importante mudança na indústria cinematográfica espanhola: paulatinamente, os filmes historicistas, religiosos e dramáticos cederam o passo ao sainete espanhol – um género de comédia populista muito comum durante os primeiros anos do franquismo. Foi neste contexto que em 1955 estreou a comédia Historias de la radio, de José Luis Sáenz de Heredia, um importante blockbuster que veio revolucionar o cinema espanhol e incitar a regeneração da indústria através da entrada em cena de novos e talentosos cineastas, entre os quais, Luis García Berlanga.
 
Utilizando o esperpento – um género teatral ibérico de humor negro e de sátira grotesca – como a espada que empunhou contra o regime franquista, Berlanga entregou-se à crítica de todas as formas de poder vigentes na sociedade espanhola dos anos 50 e 60: o conservadorismo do governo franquista, a hipocrisia da igreja e a mesquinhez da sociedade espanhola. Com uma arguta e mordaz inteligência, dedicou-se a reinventar múltiplas formas da mesma ideia: cotejando o próprio Berlanga, «nos meus filmes há sempre alguém que sonha, que anseia e que deseja alcançar algo, mas nunca consegue, é sempre impedido por um complexo logro da sociedade.»

Esta sessão é organizada com o apoio da Direcção Regional de Cultura do Alentejo, do Instituto Cervantes e do ICA - Instituto do Cinema e do Audiovisual.
Jul 132021
 

Paraíso Esquecido (Calabuch), de Luis García Berlanga, será apresentado na quinta-feira 15 de Julho de 2021 às 18h00 no Auditório Soror Mariana em Évora, no âmbito do projecto No País do Cinema numa sessão de Cinema-Fora-dos Leões, em parceria com Os Filhos de Lumière e a Direcção Regional de Cultura do Alentejo, no âmbito do ciclo "Esperpento, logro e anseio" em comemoração do centenário do nascimento de Luis García Berlanga. Entrada livre.

"Uma década após o final da Guerra Civil Espanhola, em pleno regime franquista, deu-se uma importante mudança na indústria cinematográfica espanhola: paulatinamente, os filmes historicistas, religiosos e dramáticos cederam o passo ao sainete espanhol – um género de comédia populista muito comum durante os primeiros anos do franquismo. Foi neste contexto que em 1955 estreou a comédia Historias de la radio, de José Luis Sáenz de Heredia, um importante blockbuster que veio revolucionar o cinema espanhol e incitar a regeneração da indústria através da entrada em cena de novos e talentosos cineastas, entre os quais, Luis García Berlanga.
 
Utilizando o esperpento – um género teatral ibérico de humor negro e de sátira grotesca – como a espada que empunhou contra o regime franquista, Berlanga entregou-se à crítica de todas as formas de poder vigentes na sociedade espanhola dos anos 50 e 60: o conservadorismo do governo franquista, a hipocrisia da igreja e a mesquinhez da sociedade espanhola. Com uma arguta e mordaz inteligência, dedicou-se a reinventar múltiplas formas da mesma ideia: cotejando o próprio Berlanga, «nos meus filmes há sempre alguém que sonha, que anseia e que deseja alcançar algo, mas nunca consegue, é sempre impedido por um complexo logro da sociedade.»

Esta sessão é organizada com o apoio da Direcção Regional de Cultura do Alentejo e do ICA - Instituto do Cinema e do Audiovisual.
Jul 062021
 

Bem-Vindo, Mister Marshall (Bienvenido Mister Marshall), de Luis García Berlanga, será apresentado na quinta-feira 8 de Julho de 2021 às 18h00 no Auditório Soror Mariana em Évora, no âmbito do projecto No País do Cinema numa sessão de Cinema-Fora-dos Leões, em parceria com Os Filhos de Lumière e a Direcção Regional de Cultura do Alentejo, no âmbito do ciclo "Esperpento, logro e anseio" em comemoração do centenário do nascimento de Luis García Berlanga. Entrada livre.

"Uma década após o final da Guerra Civil Espanhola, em pleno regime franquista, deu-se uma importante mudança na indústria cinematográfica espanhola: paulatinamente, os filmes historicistas, religiosos e dramáticos cederam o passo ao sainete espanhol – um género de comédia populista muito comum durante os primeiros anos do franquismo. Foi neste contexto que em 1955 estreou a comédia Historias de la radio, de José Luis Sáenz de Heredia, um importante blockbuster que veio revolucionar o cinema espanhol e incitar a regeneração da indústria através da entrada em cena de novos e talentosos cineastas, entre os quais, Luis García Berlanga.
 
Utilizando o esperpento – um género teatral ibérico de humor negro e de sátira grotesca – como a espada que empunhou contra o regime franquista, Berlanga entregou-se à crítica de todas as formas de poder vigentes na sociedade espanhola dos anos 50 e 60: o conservadorismo do governo franquista, a hipocrisia da igreja e a mesquinhez da sociedade espanhola. Com uma arguta e mordaz inteligência, dedicou-se a reinventar múltiplas formas da mesma ideia: cotejando o próprio Berlanga, «nos meus filmes há sempre alguém que sonha, que anseia e que deseja alcançar algo, mas nunca consegue, é sempre impedido por um complexo logro da sociedade.»

Esta sessão é organizada com o apoio da Direcção Regional de Cultura do Alentejo e do ICA - Instituto do Cinema e do Audiovisual.

Dez 142020
 
Entrevista (Intervista, 1987), de Federico Fellini, será apresentado na quinta-feira 17 de Dezembro de 2020 às 18h00 no Auditório Soror Mariana em Évora, no âmbito do projecto No País do Cinema numa sessão de Cinema-Fora-dos Leões / Universidade de Évora, em parceria com Os Filhos de Lumière, no âmbito do ciclo "Sob o Signo de Fellini"" em comemoração do centenário do nascimento de Federico Fellini. Entrada livre.
 
O presente ciclo de cinema explora a dimensão multifuncional e colaboracionista de Fellini na Cinecittà dos anos 40 e 50, onde a sua influência e presença transcenderam o número de filmes que realizou.
Fellini foi, sem qualquer dúvida, uma importante peça na engrenagem da indústria cinematográfica italiana, tendo, nos seus anos formativos, participado como assistente de realização, argumentista, produtor e actor em filmes realizados por alguns dos principais cineastas italianos da época, como, por exemplo, Roberto Rossellini, Michelangelo Antonioni, Alberto Lattuada, Dino Risi, Mario Bonnard, Pietro Germi, Eduardo De Filippo e Mario Mattoli.
Acreditamos que a verdadeira grandeza do seu legado deve incluir um lado mais desconhecido: o das inúmeras funções, papéis e colaborações que desempenhou em projectos realizados por outros cineastas e que atestam a sua extraordinária prolificidade e artisticidade.

Esta sessão é organizada com o apoio da Direcção Regional de Cultura do Alentejo, da Universidade de Évora e do ICA - Instituto do Cinema e do Audiovisual.
Dez 142020
 
Entrevista (Intervista, 1987), de Federico Fellini, será apresentado na quinta-feira 17 de Dezembro de 2020 às 18h00 no Auditório Soror Mariana em Évora, no âmbito do projecto No País do Cinema numa sessão de Cinema-Fora-dos Leões / Universidade de Évora, em parceria com Os Filhos de Lumière, no âmbito do ciclo "Sob o Signo de Fellini"" em comemoração do centenário do nascimento de Federico Fellini. Entrada livre.
 
O presente ciclo de cinema explora a dimensão multifuncional e colaboracionista de Fellini na Cinecittà dos anos 40 e 50, onde a sua influência e presença transcenderam o número de filmes que realizou.
Fellini foi, sem qualquer dúvida, uma importante peça na engrenagem da indústria cinematográfica italiana, tendo, nos seus anos formativos, participado como assistente de realização, argumentista, produtor e actor em filmes realizados por alguns dos principais cineastas italianos da época, como, por exemplo, Roberto Rossellini, Michelangelo Antonioni, Alberto Lattuada, Dino Risi, Mario Bonnard, Pietro Germi, Eduardo De Filippo e Mario Mattoli.
Acreditamos que a verdadeira grandeza do seu legado deve incluir um lado mais desconhecido: o das inúmeras funções, papéis e colaborações que desempenhou em projectos realizados por outros cineastas e que atestam a sua extraordinária prolificidade e artisticidade.

Esta sessão é organizada com o apoio da Direcção Regional de Cultura do Alentejo, da Universidade de Évora e do ICA - Instituto do Cinema e do Audiovisual.
Dez 072020
 

O Sheik Branco (Lo Sceicco Bianco, 1952), primeiro filme realizado por Federico Fellini sozinho na realização - e pela primeira vez com música de Nino Rota - será apresentado na quinta-feira 10 de Dezembro de 2020 às 18h00 no Auditório Soror Mariana em Évora, no âmbito do projecto No País do Cinema numa sessão de Cinema-Fora-dos Leões / Universidade de Évora, em parceria com Os Filhos de Lumière, no âmbito do ciclo "Sob o Signo de Fellini"" em comemoração do centenário do nascimento de Federico Fellini. Entrada livre.

 
O presente ciclo de cinema explora a dimensão multifuncional e colaboracionista de Fellini na Cinecittà dos anos 40 e 50, onde a sua influência e presença transcenderam o número de filmes que realizou.
Fellini foi, sem qualquer dúvida, uma importante peça na engrenagem da indústria cinematográfica italiana, tendo, nos seus anos formativos, participado como assistente de realização, argumentista, produtor e actor em filmes realizados por alguns dos principais cineastas italianos da época, como, por exemplo, Roberto Rossellini, Michelangelo Antonioni, Alberto Lattuada, Dino Risi, Mario Bonnard, Pietro Germi, Eduardo De Filippo e Mario Mattoli.
Acreditamos que a verdadeira grandeza do seu legado deve incluir um lado mais desconhecido: o das inúmeras funções, papéis e colaborações que desempenhou em projectos realizados por outros cineastas e que atestam a sua extraordinária prolificidade e artisticidade.

Esta sessão é organizada com o apoio da Direcção Regional de Cultura do Alentejo, da Universidade de Évora e do ICA - Instituto do Cinema e do Audiovisual.