Se a teoria é rapidamente esquecida,
o gesto e a experiência artística
ficam no corpo, na memória, no olhar.

Mar 032017
 

Rentrée des classes, de Jacques Rozier e Petite Lumière, de Alain Gomis serão apresentados na terça-feira 21 de Março de 2017 às 15h30 na Cinemateca Portuguesa.

Esta primeira sessão pública do programa CinEd na Cinemateca lança em Portugal o projeto de cooperação europeia coordenado pelo Institut Français (Paris) com o apoio pedagógico da Cinemateca Francesa, através do seu programa internacional “Cinéma Cent Ans de Jeunesse”, e o apoio financeiro da Europa Criativa via programa MEDIA – Desenvolvimento de Audiências, dinamizado em Portugal por Os Filhos de Lumière Associação Cultural. 

A plataforma CinEd apresenta-se como um projeto “dedicado à educação cinematográfica, cujo objetivo é dar a conhecer aos jovens a riqueza e a diversidade do cinema, disponibilizando, através de uma plataforma online (www.cined.eu), um conjunto de obras cinematográficas europeias – patrimoniais e contemporâneas –, legendadas em oito línguas, entre as quais o português, que se destinam a jovens de várias faixas etárias, no âmbito escolar”. Em Portugal, a apresentação deste Ciclo é simultânea à apresentação dos cadernos pedagógicos elaborados pelo CinEd, com pistas de trabalho sobre os filmes a exibir, “promovendo a sua disseminação junto de professores e agentes de educação para que estes possam, mais tarde, utilizá-los autonomamente em contexto de sala de aula”. Propondo uma seleção de filmes realizados por crianças e jovens, Rentrée des classes de Jacques Rozier, e Petite Lumière de Alain Gomis, a sessão é dinamizada por uma equipa de cineastas-formadores (...)
in Programa da Cinemateca Portuguesa / Museu do Cinema(pdf)

Fev 212017
 


No dia 20 de Fevereiro de 2017, os alunos da turma do 4º ano da Escola nº 1 do Vale da Amoreira, fizeram mais uma sessão de filmagem no Parque Hortícola do Vale da Amoreira, da oficina O Primeiro Olhar 103 inserida no programa O Mundo à Nossa Volta e no âmbito de uma iniciativa da Câmara Municipal da Moita com o apoio da Fundação EDP.

Os alunos, que também participam numa oficina Cinema, cem anos de juventude a realizar durante o ano lectivo 2016/2017, realizarão neste contexto especial um pequeno documentário sobre as hortas comunitárias, sobre os produtos ali cultivados e sobre a relação dos hortelãos com as mesmas. 
O Projecto - Parque Hortícola do Vale da Amoreira
Cultivar a coesão social num espaço partilhado e sustentável

A partir de uma zona desordenada, com hortas escondidas por detrás de muros improvisados com materiais diversos e lixo, criou-se um espaço planeado e valorizado, onde os hortelãos têm legitimidade na utilização do terreno, melhores condições de segurança e salubridade e acesso a formação em práticas ecológicas de cultivo. Passou-se assim para um modelo de utilização partilhada, em que cada um pode ver e comunicar com o vizinho. O Parque Hortícola do Vale da Amoreira abriu em 2015 e dispõe de 81 parcelas para famílias e associações, abrigos comuns para ferramentas em contentores adaptados, rede de rega, zona de lazer, vedação exterior e sinalética.

Este projeto do Município da Moita, co-financiado pela Fundação EDP, pretende não só proporcionar um complemento de subsistência, mas também produzir efeitos ao nível do bem-estar e coesão social. Para isso inclui medidas para promover uma boa convivência e intercâmbio cultural e geracional entre utilizadores e restante comunidade, incluindo workshops, atividades artísticas e outras, que valorizarão a atividade dos hortelãos perante toda a comunidade.