Se a teoria é rapidamente esquecida,
o gesto e a experiência artística
ficam no corpo, na memória, no olhar.

Fev 212017
 


No dia 21 de Fevereiro de 2017, os alunos da turma do 4º ano da Escola nº 1 do Vale da Amoreira, fizeram mais uma sessão de filmagem no Parque Hortícola do Vale da Amoreira, da oficina O Primeiro Olhar 103 inserida no programa O Mundo à Nossa Volta e no âmbito de uma iniciativa da Câmara Municipal da Moita com o apoio da Fundação EDP.

Os alunos, que também participam numa oficina Cinema, cem anos de juventude a realizar durante o ano lectivo 2016/2017, realizarão neste contexto especial um pequeno documentário sobre as hortas comunitárias, sobre os produtos ali cultivados e sobre a relação dos hortelãos com as mesmas. 
O Projecto - Parque Hortícola do Vale da Amoreira
Cultivar a coesão social num espaço partilhado e sustentável

A partir de uma zona desordenada, com hortas escondidas por detrás de muros improvisados com materiais diversos e lixo, criou-se um espaço planeado e valorizado, onde os hortelãos têm legitimidade na utilização do terreno, melhores condições de segurança e salubridade e acesso a formação em práticas ecológicas de cultivo. Passou-se assim para um modelo de utilização partilhada, em que cada um pode ver e comunicar com o vizinho. O Parque Hortícola do Vale da Amoreira abriu em 2015 e dispõe de 81 parcelas para famílias e associações, abrigos comuns para ferramentas em contentores adaptados, rede de rega, zona de lazer, vedação exterior e sinalética.

Este projeto do Município da Moita, co-financiado pela Fundação EDP, pretende não só proporcionar um complemento de subsistência, mas também produzir efeitos ao nível do bem-estar e coesão social. Para isso inclui medidas para promover uma boa convivência e intercâmbio cultural e geracional entre utilizadores e restante comunidade, incluindo workshops, atividades artísticas e outras, que valorizarão a atividade dos hortelãos perante toda a comunidade.
Fev 122017
 


Decorreu no dia 11 de Fevereiro de 2017 as filmagens de um filme colectivo no âmbito da oficina Filmar 22 em Lisboa, realizada em parceria a FPC/Museu das Comunicações

Estas acções de formação para professores visam a experimentação das metodologias e práticas de trabalho desenvolvidas nas oficinas com crianças e jovens, e enquadram-se no quadro de actividades dos projectos europeus CinEd e Moving Cinema

Cineastas-formadores: Teresa Garcia (realização), Rossana Torres (realização e montagem), José Lã Correia (imagem e som),  Maria Maranha (som), Patrícia Gomes e Sara Morais (produção).
Esta oficina Filmar integra o programa  "O Mundo à Nossa Volta" da associação Os Filhos de Lumière.
Fev 092017
 


No dia 8 de Fevereiro de 2017, os alunos da turma do 4º ano da Escola nº 1 do Vale da Amoreira, deram início às rodagens no Parque Hortícola do Vale da Amoreira, da oficina O Primeiro Olhar 103 e no âmbito de uma iniciativa da Câmara Municipal da Moita com o apoio da Fundação EDP.

Os alunos, que também participam numa oficina Cinema, cem anos de juventude a realizar durante o ano lectivo 2016/2017, realizarão neste contexto especial um pequeno documentário sobre as hortas comunitárias, sobre os produtos ali cultivados e sobre a relação dos hortelãos com as mesmas. 

O Projecto - Parque Hortícola do Vale da Amoreira
Cultivar a coesão social num espaço partilhado e sustentável

A partir de uma zona desordenada, com hortas escondidas por detrás de muros improvisados com materiais diversos e lixo, criou-se um espaço planeado e valorizado, onde os hortelãos têm legitimidade na utilização do terreno, melhores condições de segurança e salubridade e acesso a formação em práticas ecológicas de cultivo. Passou-se assim para um modelo de utilização partilhada, em que cada um pode ver e comunicar com o vizinho. O Parque Hortícola do Vale da Amoreira abriu em 2015 e dispõe de 81 parcelas para famílias e associações, abrigos comuns para ferramentas em contentores adaptados, rede de rega, zona de lazer, vedação exterior e sinalética.

Este projeto do Município da Moita, co-financiado pela Fundação EDP, pretende não só proporcionar um complemento de subsistência, mas também produzir efeitos ao nível do bem-estar e coesão social. Para isso inclui medidas para promover uma boa convivência e intercâmbio cultural e geracional entre utilizadores e restante comunidade, incluindo workshops, atividades artísticas e outras, que valorizarão a atividade dos hortelãos perante toda a comunidade.
Jan 252017
 


A Rapariga mais Feliz do Mundo, de Radu Jude (Roménia, 2009), foi apresentado na terça-feira 24 de Janeiro de 2017 na Cinemateca Portuguesa no âmbito da abertura do ciclo de projecção-conversa à volta dos filmes da colecção CinEd, com a presença nomeadamente de alunos e professores participantes no programa O Mundo à Nossa Volta da associação Os Filhos de Lumière e professores participantes nas oficinas Filmar 22 e O que é o Cinema II. A projecção foi seguida de uma conversa.
O CinEd é um projecto coordenado pelo Institut Français (Paris) com o apoio pedagógico da Cinemateca Francesa através do seu programa internacional (Cinéma, Cent ans de Jeunesse) e tem o apoio financeiro da Europa Criativa através do programa MEDIA – Desenvolvimento de Audiências. Tem como principal objectivo  permitir aos jovens europeus que descubram a riqueza e a diversidade do cinema de cada país europeu.
Um dos propósitos desta sessão é também fazer o lançamento das versões portuguesas dos cadernos pedagógicos do programa CinEd em Portugal, promovendo a sua disseminação junto de professores e agentes de educação para que estes possam, mais tarde, utilizá-los autonomamente em contexto de sala de aula.
Este é também o lançamento da Plataforma do CinEd onde estarão disponíveis os filmes e recursos pedagógícos indispensáveis para o trabalho a desenvolver dirigido aos professores que estará activa a partir da segunda semana de Janeiro.