Se a teoria é rapidamente esquecida,
o gesto e a experiência artística
ficam no corpo, na memória, no olhar.

Fev 212017
 


No dia 20 de Fevereiro de 2017, os alunos da turma do 4º ano da Escola nº 1 do Vale da Amoreira, fizeram mais uma sessão de filmagem no Parque Hortícola do Vale da Amoreira, da oficina O Primeiro Olhar 103 inserida no programa O Mundo à Nossa Volta e no âmbito de uma iniciativa da Câmara Municipal da Moita com o apoio da Fundação EDP.

Os alunos, que também participam numa oficina Cinema, cem anos de juventude a realizar durante o ano lectivo 2016/2017, realizarão neste contexto especial um pequeno documentário sobre as hortas comunitárias, sobre os produtos ali cultivados e sobre a relação dos hortelãos com as mesmas. 
O Projecto - Parque Hortícola do Vale da Amoreira
Cultivar a coesão social num espaço partilhado e sustentável

A partir de uma zona desordenada, com hortas escondidas por detrás de muros improvisados com materiais diversos e lixo, criou-se um espaço planeado e valorizado, onde os hortelãos têm legitimidade na utilização do terreno, melhores condições de segurança e salubridade e acesso a formação em práticas ecológicas de cultivo. Passou-se assim para um modelo de utilização partilhada, em que cada um pode ver e comunicar com o vizinho. O Parque Hortícola do Vale da Amoreira abriu em 2015 e dispõe de 81 parcelas para famílias e associações, abrigos comuns para ferramentas em contentores adaptados, rede de rega, zona de lazer, vedação exterior e sinalética.

Este projeto do Município da Moita, co-financiado pela Fundação EDP, pretende não só proporcionar um complemento de subsistência, mas também produzir efeitos ao nível do bem-estar e coesão social. Para isso inclui medidas para promover uma boa convivência e intercâmbio cultural e geracional entre utilizadores e restante comunidade, incluindo workshops, atividades artísticas e outras, que valorizarão a atividade dos hortelãos perante toda a comunidade.
Fev 082017
 


No dia 6 de Fevereiro de 2017, os alunos da turma do 4º ano da Escola nº 1 do Vale da Amoreira, deram início às rodagens no Parque Hortícola do Vale da Amoreira, da oficina O Primeiro Olhar 103 e no âmbito de uma iniciativa da Câmara Municipal da Moita com o apoio da Fundação EDP.

Os alunos, que também participam numa oficina Cinema, cem anos de juventude a realizar durante o ano lectivo 2016/2017, realizarão neste contexto especial um pequeno documentário sobre as hortas comunitárias, sobre os produtos ali cultivados e sobre a relação dos hortelãos com as mesmas. 

O Projecto - Parque Hortícola do Vale da Amoreira
Cultivar a coesão social num espaço partilhado e sustentável

A partir de uma zona desordenada, com hortas escondidas por detrás de muros improvisados com materiais diversos e lixo, criou-se um espaço planeado e valorizado, onde os hortelãos têm legitimidade na utilização do terreno, melhores condições de segurança e salubridade e acesso a formação em práticas ecológicas de cultivo. Passou-se assim para um modelo de utilização partilhada, em que cada um pode ver e comunicar com o vizinho. O Parque Hortícola do Vale da Amoreira abriu em 2015 e dispõe de 81 parcelas para famílias e associações, abrigos comuns para ferramentas em contentores adaptados, rede de rega, zona de lazer, vedação exterior e sinalética.

Este projeto do Município da Moita, co-financiado pela Fundação EDP, pretende não só proporcionar um complemento de subsistência, mas também produzir efeitos ao nível do bem-estar e coesão social. Para isso inclui medidas para promover uma boa convivência e intercâmbio cultural e geracional entre utilizadores e restante comunidade, incluindo workshops, atividades artísticas e outras, que valorizarão a atividade dos hortelãos perante toda a comunidade.
Jan 212017
 


Os alunos do 2º ano do Curso de Animadores Sociocultural da Escola Profissional Alsud, em Mértola durante mais um dia de filmagem no ambito da oficina O Primeiro Olhar 100 (O Mundo à Nossa Volta) do projecto "Geração Bio" que decorre durante o mês de Janeiro de 2017.

O Primeiro Olhar 100 é realizado em parceira com a Escola Profissional Alsud com o apoio da Câmara Municipal de Mértola

O Primeiro Olhar 100 onde está trablhado exercícios com dispositivos moveis está inserido no projecto europeu Moving Cinema.

Os parceiros que integram o projecto Moving Cinema são: A Bao A Qu (Catalunha/Espanha),  Meno Avilys (Lituânia), a França (através da Cinemateca francesa) e  o Centre for the Moving Image (Escócia/Reino Unido). Em Portugal o projecto é da responsabilidade da associação Os Filhos de Lumière. Este projecto conta com o apoio da Europa Criativa – sub‐programa Média.
Jan 202017
 


Os alunos do 2º ano do Curso de Animadores Sociocultural da Escola Profissional Alsud, em Mértola num dia de filmagem no ambito da oficina O Primeiro Olhar 100 (O Mundo à Nossa Volta) do projecto "Geração Bio" que decorre durante o mês de Janeiro de 2017.

O Primeiro Olhar 100 é realizado em parceira com a Escola Profissional Alsud com o apoio da Câmara Municipal de Mértola

O Primeiro Olhar 100 onde está trablhado exercícios com dispositivos moveis está inserido no projecto europeu Moving Cinema.

Os parceiros que integram o projecto Moving Cinema são: A Bao A Qu (Catalunha/Espanha),  Meno Avilys (Lituânia), a França (através da Cinemateca francesa) e  o Centre for the Moving Image (Escócia/Reino Unido). Em Portugal o projecto é da responsabilidade da associação Os Filhos de Lumière. Este projecto conta com o apoio da Europa Criativa – sub‐programa Média.
Jan 162017
 

O Mundo à Nossa Volta - Isto é Partis from Os Filhos de Lumiere on Vimeo.

De 12 a 15 de janeiro de 2016 vários projetos desenvolvidos com o apoio do PARTIS mostraram o trabalho que têm desenvolvido nas áreas da Música, Teatro, Fotografia, Cinema e até Artes Circenses.

"O Mundo à Nossa Volta - Isto é Partis" reúne excertos das curtas-metragens realizadas por crianças e jovens nas oficinas organizadas por Os Filhos de Lumière, em paralelo com fragmentos de making-of sobre a construção desses filmes.

Procura-se refletir e revelar o processo de criação cinematográfica enquanto forma de desenvolvimento pessoal, de expressão artística, conhecimento de uma nova linguagem, de partilha e contacto com os outros e com o mundo, no âmbito das oficinas de iniciação ao cinema dirigidas a crianças e jovens de meios sensíveis em várias regiões do país, que integram o programa PARTIS – Práticas Artísticas para a Inclusão Social da Fundação Calouste Gulbenkian.