Jul 312014
 
Por uma política europeia
de educação ao cinema 
2 Junho de 201
As boas práticas europeias que poderiam fazer escola

1- Na Europa, no contexto escolar – O intercâmbio cultural Comenius “Bordils-Moita”

Bordils-Moita” é um projecto inovador, lançado em 2012 e que se estende até 2014. Trata-se de uma parceria entre a associação portuguesa Os Filhos de Lumière e a associação catalã A Bao A Qu, as escolas José Afonso em Alhos Vedros, Moita, perto de Lisboa, e a escola de Bordils na Catalunha, Espanha. A parceria construiu-se no âmbito do programa europeu Comenius Régio que o financiou.
As duas associações participam para além disso no programa da Cinemateca Francesa Le Cinéma cent ans de Jeunesse (Cinema, cem anons de juventude). Esta parceria tomou a forma de um “intercâmbio cultural e audiovisual” na perspectiva de “descobrir e construir o património local e europeu através da criação audiovisual “.

O projecto junta as escolas no seu conjunto, associando todas as turmas compostas de alunos dos 3 aos 13 anos. Os alunos partilham com os colegas do seu ano escolar. (…) Ao longo de todo o ano, todas as turmas tiveram a oportunidade de dar a descobrir a sua região através de um Blog que lhes foi disponibilizado – www.bordilsmoita.org –  onde publicaram as fotografias e filmes realizados, os sons e os textos. O carácter documental foi o mais desenvolvido. O projecto termina com uma exposição nas duas cidades, projecções de filmes e a edição de um livro, para dar o devido valor aos trabalhos realizados.

Este projecto inovador, realizado no contexto europeu, surge como um modelo de colaboração e de educação artística. Embora neste caso a educação ao cinema não seja a principal prioridade, podemos imaginar que no futuro, intercâmbios culturais similares poderão desenvolver-se entre escolas fazendo da prática do cinema o ponto central do projecto.