2020-2021 O Tempo no Cinema

2020-2021 : A Tempo no Cinema

TEMA

A imagem é cinematográfica se vive no tempo e se o tempo vive nela, desde o primeiro plano filmado.

O mestre todo poderoso da imagem cinematográfica é o ritmo, que exprime o fluxo do tempo no interior de um plano.

É antes de mais através desse sentido do tempo, através do ritmo, que o realizador exprime a sua individualidade. O ritmo tinge a obra de traços estilísticos. O ritmo não é nem pensamento nem construído por procedimentos arbitrários puramente intelectuais. O ritmo de um filme nasce espontaneamente da percepção profunda que o realizador tem sobre a vida, da sua “procura do tempo.

Tarkovski (Le temps scellé, éd. Cahiers du cinéma)

 

A questão do tempo é essencial em qualquer abordagem pedagógica do cinema. Tanto na recepção dos filmes como na passagem á prática. O tempo é a matéria prima fundamental do cinema desde L’Arrivée du Train en Gare de la Ciotat.(A Chegada do Comboio á Estação de la Ciotat)

Abordá-lo-emos em dois níveis principais.

1. O tempo do plano (como bloco de tempo real captado pela câmara) / o tempo da narração (como tempo abstracto da enunciação, da narrativa).

Esta diferença determina também a dualidade: olhar/contar. Ela põe em jogo a escolha inicial da própria natureza dos planos: planos longos (plano-sequência)/ planos curtos (cinema de “découpage” e de montagem).

2. A questão do tempo da história (suposta duração da história) e do tempo do filme (duração do filme).

A duração muito limitada do filme implica toda a espécie de estratégias de condensação do tempo: as elipses ; os marcadores de tempo (cartões, indicação de diálogos, relógios de vários tipos, alternância entre o dia e a noite, indicadores das estações, etc.) ; as condensações e acelerações pelos actores dos gestos, dos trajectos, das acções.  Os gestos depurados.

Abordaremos também as questões da successividade e da causalidade, da simultaneidade, do que muda com a música na percepção do tempo,da relação entre o tempo e o enquadramento, das manipulações técnicas do tempo,(câmara lenta/acelerado, fundidos encadeados, sobreimpressões, “splistscreens”), etc.

Alain Bergala, Agosto de 2020

REGRAS DO JOGO

EXERCÍCIOS

1er exercício

Filmar num único plano longo : 2’ máximo por plano

(são 3 planos de 2’ máximo cada, sem ligação entre eles) :

1. uma captação de tempo (filmar a continuidade de uma acção, fazer sentir o tempo)

2. uma tensão dinâmica ligada à duração do plano (instalar um dispositivo que quem filma não controla totalmente)

3. uma transformação plástica no plano.

Cada um destes exercícios pode ser realizado de forma individual (fora do âmbito da escola) ou em grupo durante a oficina.

Idealmente, a captação de tempo será individual e os outros planos em grupo.

2e exercício

Filmar a mesma acção/situação de 2 maneiras diferentes : a primeira num único plano sequência, a outra dividindo-o em planos e montando os planos. 

Neste exercício, o som deve ter um papel importante.

(O lugar, as deslocações e eventuais diálogos devem ser os mesmos, só os actores podem ser diferentes).

Duração máx. 3’ por cada versão (mas pode ser mais curto!)

 

FILME-ENSAIO

Uma atenção particular deverá ser dada ao ritmo do filme comportando uma ou mais mudanças de ritmo.

Por vezes, o argumento do filme fica em suspenso e uma personagem (ou o espectador) experimenta a sensação do tempo que passa.

(10’ máximo, além do genérico)

 

BLOG

A participação no blog faz parte das regras do jogo ao longo de todo o ano CCAJ.

É uma preciosa ocasião que permite aos alunos conhecerem-se e partilharem a sua experiência através do mundo, antes dos Encontros em Junho na Cinemateca.

Permite também aos pais saber mais sobre a aventura do cinema que os seus filhos estão a viver.

Favorece a comunicação entre os alunos que têm poucas possibilidades de se encontrar, actualmente mesmo a nível regional.

O blog pode ser dinamizado pelos próprios alunos, se possível. São os seus comentários, que eles irão publicar, ou através dos adultos se necessário.

Ao longo do ano, cada oficina dá conta do seu percurso, publica fotografias comentadas (reperages, filmagens etc), fotogramas dos filmes, reacções às publicações dos outros, etc.

Cada um pode escrever na sua língua, mas por favor traduzir igualmente em francês ou em inglês (pelo menos uma parte da publicação)

Para começar:

Antes de 15 de Dezembro de 2020, cada oficina deve publicar uma apresentação do grupo,

do lugar onde ela decorre (sala, estabelecimento escolar, aldeia ou cidade, etc.)

Este ano, pode-se tirar em cada sessão da oficina, uma fotografia pela janela (com o mesmo enquadramento),

para registar, ao longo dos meses, a alteração da luz e a passagem das estações, diferentes entre cada um dos lugares.