Jan 282017
 

No âmbito das acções de formação para professores e adultos interessados “O Que é o Cinema? II” e “Filmar 22” da associação Os Filhos de Lumière, em parceria com a FPC/Museu das Comunicações, foi apresentado no dia 25 de Janeiro o programa Cinema, cem anos de juventude, os recursos pedagógicos e o site.
 
Coordenado pela Cinemateca Francesa, e da responsabilidade de Os Filhos de Lumière em Portugal no âmbito do projecto O Mundo à Nossa Volta, Le Cinéma, cent ans de jeunesse, reúne a uma escala internacional, profissionais de cinema, professores, alunos, salas de cinema, associações e cinematecas. O programa, criado em França em 1995, centra-se na realização de oficinas de sensibilização para o cinema, dentro e fora da escola, na dinamização de vários encontros e  projecções em sala de cinema
 
A formação “O Que é o Cinema? II” tem uma duração de 12h30 enquanto a formação “Filmar 22″ terá uma duração de 27h onde está incluída a prática de realização.  Ambos os cursos são acreditados
Jan 262017
 

A Rapariga mais Feliz do Mundo, de Radu Jude (Roménia, 2009), foi apresentado na terça-feira 24 de Janeiro de 2017 na Cinemateca Portuguesa no âmbito da abertura do ciclo de projecção-conversa à volta dos filmes da colecção CinEd, com a presença nomeadamente de alunos e professores participantes no programa O Mundo à Nossa Volta da associação Os Filhos de Lumière e professores participantes nas oficinas Filmar 22 e O que é o Cinema II. A projecção foi seguida de uma conversa.
 
O CinEd é um projecto coordenado pelo Institut Français (Paris) com o apoio pedagógico da Cinemateca Francesa através do seu programa internacional (Cinéma, Cent ans de Jeunesse) e tem o apoio financeiro da Europa Criativa através do programa MEDIA – Desenvolvimento de Audiências. Tem como principal objectivo  permitir aos jovens europeus que descubram a riqueza e a diversidade do cinema de cada país europeu.
 
Um dos propósitos desta sessão é também fazer o lançamento das versões portuguesas dos cadernos pedagógicos do programa CinEd em Portugal, promovendo a sua disseminação junto de professores e agentes de educação para que estes possam, mais tarde, utilizá-los autonomamente em contexto de sala de aula.
 
Este é também o lançamento da Plataforma do CinEd onde estarão disponíveis os filmes e recursos pedagógícos indispensáveis para o trabalho a desenvolver dirigido aos professores que estará activa a partir da segunda semana de Janeiro.
Jan 132017
 


A associação Os Filhos de Lumière, em parceria com a FPC/Museu das Comunicações, promove a partir do dia 24 de Janeiro e até o dia 23 de Fevereiro duas acções de formação para professores e adultos interessados: “O Que é o Cinema? II” e “Filmar 22”.

Ambas as formações se focam na apresentação dos projectos de cooperação europeia dos quais a associação é responsável por desenvolver em Portugal – CinEd, Moving Cinema e Cinema, cem anos de juventude.

Os projectos Moving Cinema e CinEd são projectos apoiados pelo programa MEDIA da Europa Criativa e que envolvem a participação de entidades parceiras de outros países europeus – Espanha, França, Itália, Roménia, entre outros – que visam a sensibilização para o cinema junto das camadas mais jovens através do contacto com filmes e com cineastas. Estes programas procuram dar a conhecer as experiências e os métodos partilhados entre os vários países, com o objectivo de encontrar novas formas de dar a descobrir e apreciar as obras cinematográficas nacionais e europeias.

Já o programa Cinema, cem anos de juventude, coordenado pela Cinemateca Francesa, reúne a uma escala internacional, profissionais de cinema, professores, alunos, salas de cinema, associações e cinematecas. O programa, criado em França em 1995, centra-se na realização de oficinas de sensibilização para o cinema, dentro e fora da escola, na dinamização de vários encontros e  projecções em sala de cinema.

A formação “O Que é o Cinema? II” terá uma duração de 12h30 enquanto a formação “Filmar 22” terá uma duração de 27h onde está incluída a prática de realização. Ambas as formações terão um tronco comum onde serão apresentados e trabalhados os recursos pedagógicos que estes programas europeus disponibilizam, tais como cadernos de reflexão e análise sobre filmes do património cinematográfico europeu. Ambos os cursos são acreditados pelo centro de formação Calvet de Magalhães.

 
Mais informações: filhos.lumiere[at]gmail.com
Fev 022016
 

“O Cinema como Ferramenta de Aprendizagem”, reportagem de Maria João Leite, sobre o trabalho desenvolvido pela associação Os Filhos de Lumière, na edição nº206 da revista “A Página da Educação” (Inverno 2015).
 
O cinema pode ser uma boa ferramenta de aprendizagem. Na escola e na vida. Fazer chegar o cinema a diferentes públicos, sensibilizando-os para a sétima das artes e fazendo-os comprender a arte cinemagráfica, é a missão d’Os Filhos de Lumière. Esta associação cultural concebe e promove diversas atividades que estimulam os participantes a ver o mundo de outra forma. Eles aprendem a olhar e a establecer relações. Porque o cinema também educa…
Maria João Leite
Nov 092015
 

“Olhares sobre a Misericórdia” é uma sessão de cinema pública, que terá lugar no espaço cultural Rua das Gaivotas 6, no Domingo 15 de Novembro de 2015 pelas 18h30.  O programa integra filmes realizados nos últimos meses no bairro da Misericórdia, por crianças, jovens e adultos que o habitam, no âmbito das oficinas da associação Os Filhos de Lumière: “Cinema Cem Anos de Juventude” e “O Primeiro Olhar“, integrantes do projecto “O Mundo à Nossa Volta”, apoiado pelo programa PARTIS da Fundação Calouste Gulbenkian e pelo ICA, e das oficinas “Filmar” – dirigidas a adultos – que integram o projecto “BIP/ZIP DNA Lisboa II”.
 
–  Estórias da Cidade –  filme colectivo realizado no âmbito da oficina Filmar, em colaboração com a Comissão Social da Junta de Freguesia da Misericórdia. O filme foi realizado por participantes do Centro de Dia do Centro Social São Boaventura (Santa Casa da Misericórdia de Lisboa).
 
–  Desencontros – filme colectivo realizado pelos participantes da oficina Filmar, com adultos e professores de diversas escolas na Freguesia da Misericórdia, em parceria com o Teatro Cão Solteiro e o Atelier Real;
 
–  O Dia de Anos – filme colectivo realizado na oficina O Primeiro Olhar, no âmbito da Semana da Juventude da Freguesia da Misericórdia em Lisboa, com jovens de diferentes associações culturais (Intervir, +Skillz, Ludoteca) pertencentes ao Grupo de Jovens da Comissão Social da Junta de Freguesia da Misericórdia.
 
–  A Surpresa – filme-ensaio (filme final) do Grupo de Cinema da Escola Secundária Passos Manuel, Lisboa, no âmbito do programa pedagógico Cinema, Cem Anos de Juventude 2014-2015 sobre o tema “O Intervalo no cinema”.
Dez 082014
 
 
No âmbito das Comemorações Bairro Alto 501 anos organizadas pela ACBA, apresentação de filmes realizados por jovens e adultos da zona da Misericórdia durante várias oficinas orientadas por Os Filhos de Lumière (O Mundo à Nossa Volta, Cinema cem anos de juventude, O Primeiro Olhar, Filmar) no Teatro do Bairro, Lisboa, na sexta-feira 12 de Dezembro de 2014, às 15h00. A sessão conta com a presença dos realizadores, das equipas técnicas, dos actores e dos formadores e professores.
Dez 022014
 
Lian Xou 01BLG2 No âmbito das Comemorações Bairro Alto 501 anos organizadas pela ACBA, apresentação de filmes realizados por jovens e adultos da zona da Misericórdia durante várias oficinas orientadas por Os Filhos de Lumière (O Mundo à Nossa Volta, Cinema cem anos de juventude, O Primeiro Olhar, Filmar).  
 
 
 
 
 
 
 
 
programa:
O Numero Recusado
Olhar sobre Santa Catarina
Filmar – Univerisade Senior / Unisaber 2013  
O Jogo
Olhar Cruzados
Lian Xou
Porquê?
Filmando “Porquê? (making of)
 
Out 312011
 

Encontro “Escola. Arte. Cultura.  Perspectivas e Dinâmicas na Educação

Organizado pela Câmara Municipal da Moita entre 8 e 13 de Outubro de 2011 e dirigido aos professores e á comunidade da região da Moita este Encontro teve início no sábado dia 8 com um seminário onde foi apresentado o desenvolvimento de projectos nesta região, em áreas artísticas designadamente nos campos do cinema, música (percussão) e teatro a partir de protocolos estruturantes com associações que se dedicam á sensibilização para estas artes: Os Filhos de LumièreTocá Rufar eTeatro Extremo.
 
Cada uma das três entidades envolvidas apresentou o projecto de intervenção que está a realizar na região, sensibilizando, no caso do cinema para a importância crucial de descobrir o cinema e experimentar a matéria cinematográfica, uma das artes mais desconhecidas, não só pelos jovens mas também pelos adultos. A apresentação do trabalho final de um grupo de jovens desta região – O Pavão – e um pequeno making of – Filmando O Pavão – onde podíamos ver os alunos a preparar um plano e a filmar em equipa mostrou bem o que está em jogo.
 
Numa segunda fase os professores escolheram uma das três actividades artísticas para a perceber melhor através da sua experiência participando nas oficinas ministradas por cada uma das associações que intervêm neste projecto. No caso do cinema, foi o Filmar 06. Filmar é o nome queOs Filhos de Lumière dão as oficinas quando elas se dirigem a adultos. Depois da análise de uma cena de um filme do ponto de vista da criação, o grupo responsável pela realização procurou uma ideia de filme a realizar em 6 planos. Trabalharam a realização, a imagem, o som, o trabalho de actor, e ainda, o que foi uma das grandes surpresas para todos: a sintonia do trabalho de equipa na rodagem de um filme.
 
Os resultados destas três experiências foram apresentados no dia 13 de Outubro no Auditório daBiblioteca Municipal Bento de Jesus Caraça, na Moita.  Depois da apresentação do seu pequeno filme – O Livro – , seis dos 18 participantes nesta oficina falaram, em nome do grupo sobre o que foi esta sua descoberta do cinema a partir da sua própria experiência.
 
No final, o grupo de professores que experimentou as percussões com os Tocá Rufar, depois do relato da sua experiência, encheram o palco com os tambores e os seus sons e ritmos que emocionaram a plateia presente confirmando a importância fundamental desta actividade de iniciação ás artes junto das crianças mas também dos adultos que, em contacto permanente com elas, as podem ajudar a ver e a sentir o mundo.