Jun 042016
 

Dezasseis jovens portugueses, entre os 8 e os 18 anos, vão apresentar na sala Henri Langlois da Cinemateca Francesa nos dias 8, 9 e 10 de Junho de 2016  os filmes-ensaio que resultaram do trabalho de iniciação ao cinema em que participaram este ano.

Em representação de todos os  que participaram no programa pedagógico Cinema, cem anos de juventude, em escolas de Lisboa, Moita e Serpa, estes jovens irão partilhar com centenas de outros participantes de várias regiões de França, Espanha, Itália, Bélgica, Inglaterra, Alemanha, Bulgária, Áustria, Brasil e República de Cuba, a sua experiência e processo de trabalho na realização dos seus filmes e irão assistir à projecção e apresentação dos filmes dos outros participantes neste programa.

Os cineastas e os professores que orientaram este dispositivo ao longo do ano irão também estar presentes e participar no balanço anual deste programa pedagógico, e na preparação do próximo ano lectivo.

Mais de duas mil crianças e adolescentes nos países envolvidos neste dispositivo, realizaram pequenos filmes a partir das mesmas regras do jogo sobre a questão de cinema do ano em curso, o clima e a meteorologia.

A primeira parte desta oficina é consagrada ao visionamento de filmes e excertos de filmes de diferentes realizadores e géneros que ajudam a precisar e a compreender a questão de cinema em trabalho. Esta etapa é indispensável antes dos participantes neste projecto singular começarem a fazer os exercícios filmados individuais numa primeira fase e depois o filme-ensaio colectivo.

São cerca de 40 filmes colectivos entre os mais de cem filmes-ensaio realizados no âmbito deste projecto, que vamos ver ao longo de três dias na Cinemateca Francesa.

Este dispositivo pedagógico que tem vindo a ser desenvolvido em Portugal pela mão da Associação Cultural Os Filhos de Lumière desde 2006, é realizado em parceria com a Cinemateca Francesa (coordenadora), com a Cinemateca Portuguesa e integra “O Mundo à Nossa Volta” com o apoio do Programa PARTIS da Fundação Calouste Gulbenkian, das Câmaras Municipais de Serpa, Lisboa e Moita, do ICA, dos Ministérios da Cultura e da Educação de França, e ainda do Instituto Camões e Embaixada de Portugal em França, das escolas e diversas entidades locais que participam no apoio ás viagens dos participantes a Paris.

O filme-ensaio do 3ºB da Escola EB1 do Vale da Amoreira será apresentado no dia 8 de Junho, o do Clube de Cinema de Serpa (Escola Secundária de Serpa e Escola Abade Correia da Serra), passará no dia 9 de Junho, e o do Clube da Cinema da Escola Secundária Camões será apresentado no dia 10 de Junho.

Fev 222016
 

No dia 20 de Fevereiro de 2016, teve lugar na Cinemateca Portuguesa, o segundo encontro do ano lectivo, entre professores e cineastas envolvidos nas oficinas que integram o programa Cinema, Cem Anos de Juventude, para balanço sobre os exercícios já realizados a partir de regras de jogo comuns aos 13 países que participam do projecto.
 
O tema em trabalho este ano é o clima e a meteorologia, revelando-se  através do mundo e das suas cinematografias, paisagens, luzes, maneiras de estar no mundo, de habitar e de valorizar um território.
 
A sessão com a participação de cineastas, professores e parceiros culturais, foi acompanhada pela coordenadora geral do programa, Nathalie Bourgeois e Isabel Bourdon (colabora no projecto através da Cinemateca francesa) e contou ainda com a participação dos parceiros da A Bao A Qu (Espanha) e Meno Avilys (Lituânia).
 
Foram exibidos os exercícios das escolas participantes, em Portugal, bem como em Espanha, Lituânia e França, como alguns planos Lumiére relacionados com o espaço em que o alunos vivem, na escola, na rua, na cidade ou no campo; exercícios com uma série de planos curtos que transmitem uma sensação meteorológica, ligados por exemplo, à chuva, ao sol, ao vento ou ao frio; e ainda exercícios em que a mesma cena foi filmada em diferentes situações meteorológicas  (e estações do ano).
 
A visualização dos exercícios filmados foi seguida de um diálogo sobre os métodos implementados em cada oficina, os desafios e particularidades dos grupos, assim como comentários em relação ao trabalho que tem sido feito e a forma como são aplicadas as regras do jogo.
 
Em Portugal, o programa, da responsabilidade da associação Os Filhos de Lumière, está a decorrer este ano em seis escolas em Lisboa, Moita, Serpa, Fundão e Trancoso. As sessões públicas com os filmes-ensaio finais irão decorrer em Junho nas três regiões, e também na Cinemateca Francesa, em Paris, onde serão apresentados os filmes de todos os países participantes, na presença dos professores, alunos e cineastas envolvidos nas oficinas.
Set 242015
 

Nos dias 19 e 20 de Setembro, reuniram-se na Cinemateca francesa, em Paris, os parceiros que integram o projecto Moving Cinema: A Bao A Qu (Catalunha/Espanha),  Os Filhos de Lumière (Portugal), Meno Avilys (Lituânia). A França (através da Cinemateca francesa) e  o Centre for the Moving Image (Escócia/Reino Unido)
 
Este momento permitiu preparar o próximo encontro entre parceiros, que terá lugar em Lisboa, entre 21 e 24 de Outubro. Foi ainda debatido, em conjunto com a Cinemateca Francesa, o subprojecto “Inside Cinema”, que consiste na descoberta dos processos de criação de um filme e o contacto com os realizadores e outros intervenientes no processo. Nesse sentido, a Cinemateca Francesa disponibilizou, ás organizações envolvidas e parceiras no projecto, arquivos com documentos sobre a construção de vários filmes, desde a ideia inicial aos diários de rodagem, a preparação do filme e depoimentos dos seus autores (Les 400 Coups de François Truffaut, Partie de Campagne de Jean Renoir, Pierrot le Fou de Jean-Luc Godard, por exemplo). O Moving Cinema, que entra agora no segundo ano procura ir ao encontro de novas formas que possam estimular os jovens a descobrir e a conhecer o cinema nacional, europeu e do mundo, que os levem a adquirir a capacidade de ver e de apreciar o cinema.
 
Desde 2014, “Moving Cinema” integra o mais recente projecto desta associação “O Mundo à Nossa Volta” apoiado pelo Programa PARTIS da Fundação Calouste Gulbenkian.
Set 222015
 

Os cineastas e representantes da associação Os Filhos de Lumière participaram na formação inicial para o programa Cinema cem anos de juventude 2015-2016, dispositivo de educação ao cinema em que esta associação participa pelo nono ano consecutivo.

Esta formação foi dirigido por Alain Bergala, conselheiro artístico do dispositivo desde a sua criação, em colaboração com toda a equipa de coordenação do programa e teve como principais pontos de trabalho a abordagem de questões sobre o tema deste ano (o clima, a meteorologia, interior/exterior), através da análise de excertos de filmes, informação sobre as regras do jogo e a apresentação e intercâmbio metodológico entre participantes.
 
A formação juntou representantes de professores, cineastas e parceiros culturais dos diferentes  países e regiões que integram actualmente o programa – Alemanha, Bélgica, Brasil (cidades de São Paulo e Rio de Janeiro), Bulgária, República de Cuba, Espanha (Catalunha), Finlândia, França (que inclui Guadalupe, Martinica e Córsega), México, Portugal e Reino Unido (Inglaterra e Escócia).
 
Coordenado pela Associação Os Filhos de Lumière em parceria com a Cinemateca Portuguesa, cerca de 120 jovens, 12 professores orientados por cineastas e técnicos de cinema participam neste programa pedagógico descobrindo filmes chave da história do cinema e experimentando uma das artes mais  secretas e desconhecidas como frizou Victor Erice.
Em Março de 2016 haverá um segundo encontro entre os participantes (cineastas e professores) de todos os países envolvidos para apresentar e discutir os exercícios realizados pelos alunos e os seus processos de trabalho até essa data.

Em Junho, serão apresentados na Cinemateca Francesa todos os filmes finais, representados por pelo menos três alunos de cada um dos grupos participantes no dispositivo, que irão partilhar a sua experiência com todos os outros.  Em Portugal estes filmes irão ser apresentados inicialmente em cada cidade onde decorrem e posteriormente numa sessão pública na Cinemateca Portuguesa com a presença de todos os participantes.

Desde 2014, as oficinas “Cinema cem anos de Juventude” em desenvolvimento nas regiões de Lisboa, Moita e Serpa, integram o mais recente projecto desta associação “O Mundo à Nossa Volta” apoiado pelo Programa PARTIS da Fundação Calouste Gulbenkian.
Jun 012014
 
 
 O Mundo á nossa Volta

Doze jovens, entre os 12 e os 16 anos, vão apresentar na Cinemateca Francesa em 4, 5 e 6 de Junho de 2014 os filmes-ensaio que resultaram do trabalho de iniciação ao cinema em que participaram este ano.

Em representação de todos os  que participaram no programa pedagógico Cinema, cem anos de juventude (Cinema, cent ans de jeunesse), em escolas de Lisboa, Moita e Serpa, estes jovens irão partilhar com centenas de outros participantes de várias regiões de França, Espanha, Itália, Bélgica, Escócia, Inglaterra, Alemanha, Áustria, Brasil e República de Cuba, a sua experiência e processo de trabalho na realização dos seus filmes e irão assistir à projecção e apresentação dos filmes de todos os participantes neste programa.

Os cineastas e os professores que orientaram este dispositivo ao longo do ano irão também estar presentes e participar no balanço anual deste programa pedagógico, e na preparação do próximo ano lectivo.

Mais de duas mil crianças e adolescentes nos onze países envolvidos neste dispositivo realizaram pequenos filmes a partir das mesmas regras do jogo sobre a questão do Plano-Sequência.

Uma primeira parte desta oficina é consagrada ao visionamento de filmes e excertos de filmes associados á realização dos exercícios que ajudam a precisar e a compreender a questão. Esta etapa é indispensável antes dos participantes neste projecto singular começarem a fazer exercícios filmados individuais numa primeira fase e depois o filme-ensaio colectivo.

São 40 filmes colectivos dos 11 países envolvidos neste projecto que vamos ver ao longo de três dias na Cinemateca Francesa.

Este dispositivo pedagógico que tem vindo a ser desenvolvido em Portugal pela mão da Associação Cultural Os Filhos de Lumière desde 2006, é realizado em parceria com a Cinemateca Francesa (coordenadora), a Cinemateca Portuguesa e o Institut Français du Portugal, e integra o projecto “O Mundo à Nossa Volta” com o apoio do Programa PARTIS da Fundação Calouste Gulbenkian, das Câmaras Municipais de Serpa, Lisboa e Moita, (esperamos ainda os resultados do concurso do ICA para este triénio), de diversas entidades locais (que apoiaram a viagem dos participantes a Paris), da Cinemateca Francesa, do Instituto Camões e da Embaixada de Portugal em França, das próprias escolas e ainda dos Ministérios da Cultura e da Educação de França.

Para a sua 20ª edição (que será celebrada entre 2014 e 2015) e graças ao apoio excepcional atribuído a este projecto pela Fondation EDF, através da Cinemateca francesa, a participação nestas jornadas vão dar a ocasião aos jovens realizadores de todo o mundo de se encontrar, de descobrir e de filmar Paris, reencontrando o gesto dos operadores Lumière (numa viagem especial pelo Sena nos “bateaux mouche“).

Esse apoio vai permitir ainda a criação de um novo site onde serão mostradas e aprofundadas as pistas pedagógicas lançadas ao longo de vinte anos, que ajudam a pensar, a investigar e a explorar de ano para ano, uma nova questão de cinema.

Em breve serão anunciadas  as datas de apresentação em Portugal dos filmes que resultaram deste programa nas três regiões participantes.

Mai 232014
 
 
A Cinemateca francesa está no centro de um dispositivo pedagógico de vanguarda, que nasceu em 1995, dentro e fora das suas paredes: Cinema, cem anos de juventude. Costa-Gavras, presidente da Cinemateca francesa é o seu padrinho, Alain Bergala, o conselheiro artístico. Este dispositivo experimenta uma pedagogia de cinema que articula a formação do olhar com a experiência de criação. As oficinas levam á prática a forma de permitir aos alunos, com os seus professores e a intervenção de profissionais de cinema, fazer uma experiência de cinema aprofundada, ao longo de um ano escolar, seguindo todos as mesmas regras do jogo. Este ano, foram mais de 2000 crianças e adolescentes que reflectiram sobre a questão do plano-sequência em 11 países. 40 destas oficinas serão apresentadas na Cinemateca, a 4, 5 e 6 de Junho, na presença dos seus autores, com idades entre os 6 e os 18 anos. Para a sua 20ª edição, e graças ao apoio excepcional que a Fondation EDF trouxe ao projecto, estes dias permitem aos jovens realizadores encontrar-se, descobrir e filmar Paris, reencontrando assim o gesto dos operadores Lumière.
 
Este dispositivo pedagógico que tem vindo a ser desenvolvido em Portugal pela mão da Associação Cultural Os Filhos de Lumière desde 2006, é realizado em parceria com a Cinemateca Francesa (coordenadora), a Cinemateca Portuguesa e o Institut Français du Portugal, integra o projecto “O Mundo à Nossa Volta” com o apoio do Programa PARTIS da Fundação Calouste Gulbenkian, das Câmaras Municipais de Serpa, Lisboa e Moita, (esperamos ainda os resultados do concurso do ICA para o triénio 2014-2016), de diversas entidades locais (que apoiaram a viagem dos participantes a Paris), da Cinemateca Francesa, do Instituto Camões e da Embaixada de Portugal em França, das próprias escolas e ainda dos Ministérios da Cultura e da Educação de França.
Mar 122014
 
A 12ª sessão do Seminário Images/Sons & Sciences Sociales terá lugar no anfiteatro do Espace Culture da Universidade de Lille 1, França, na quarta-feira 26 de Março de 2014 às 09h30 com o tema: “Educação ao Cinema em bairros populares: a experiência de Os Filhos de Lumière nos arredores a sul de Lisboa (Portugal)” – com a presença dos cineastas Teresa Garcia e Pierre-Marie Goulet.
 
Apresentação do projecto de educação ao cinema destinado a crianças e adolescentes que a associação Os Filhos de Lumière desenvolve na comunidade rural de Serpa (Alentejo) e nos bairros populares da Moita na periferia sul de Lisboa. Filmes de crianças e adolescentes apoiados por cineastas, Teresa Garcia e Pierre-Marie Goulet vêm testemunhar a sua experiência de artistas empenhados na transmissão do gesto cinematográfico na companhia de Jacques Lemière do Institut de sociologie e d’anthropologie de l’Université de Lille, França.
“Qual o contexto social, cultural? Que relação habitual tem com as imagens e os sons? Que pedagogia é aplicada? Qual a relação no processo entre os artistas e os professores (nas escolas) destas crianças e destes jovens? Quais os efeitos desta educação ao cinema? E o que dizem e mostram estes filmes?”
 
Em 2014, os dois dispositivos pedagógicos Cinema, cem anos de juventude e O Primeiro Olhar em desenvolvimento nas regiões de Lisboa, Moita e Serpa, integram o mais recente projecto desta associação “O Mundo á Nossa Volta” apoiado pelo Programa PARTIS / Práticas Artísticas para a Inclusão Social, um programa promovido pela Fundação Calouste Gulbenkian.